Alimentos da beleza: a kombucha e as maravilhas dos fermentados

Publicado em 23 de julho de 2021 por .

Imagina um produto 100% natural, capaz de atuar diretamente no equilíbrio da microbiota intestinal – também conhecida como flora intestinal –, com ação antioxidante e responsável pela melhora da saúde como um todo, incluindo a nossa pele? Fica com a gente até o final e vem conhecer mais sobre esse ícone milenar!

A kombucha é uma bebida  com mais de 2 mil anos, de origem chinesa, que ganhou popularidade de uns anos para cá entre pessoas adeptas a um estilo de vida saudável e, agora, entre os amantes da skincare. É uma bebida saudável, fermentada a partir de uma colônia de bactérias e leveduras (família dos fungos), tendo como base os chás verde, preto ou branco, e adição de açúcares que vão alimentar essas colônias e produzir os probióticos presentes na bebida. “Esses probióticos proporcionam benefícios como regularizar a função intestinal e reforçar as defesas do organismo. Estudos clínicos também apontaram benefícios na saciedade, redução do colesterol e alívio de dores de cabeça (embora nesses últimos casos ainda não hajam tantos estudos científicos comprovando)”, afirma Durval Ribas, médico professor de nutrologia e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

A bebida anda tão popular que há até uma Associação Brasileira de Kombucha (ABKOM)! Mas qual a diferença dela em relação a outros alimentos considerados probióticos, como o kefir, e mesmo em relação aos probióticos em cápsulas? As bebidas fermentadas no geral são benéficas para a saúde porque elas restauram e melhoram a flora intestinal. Cada alimento, como kefir, kombucha e kimchi, tem bactérias diferentes entre elas. “Isto é: se eu fizer um kefir aqui na minha casa, e você fizer a mesma receita aí, talvez até com a mesma ‘isca’, eles podem ter bactérias diferentes, porque depende até do ambiente onde esse alimentos fermentados estão”, explica a nutricionista Marina Nogueira. Já a diferença entre tomar kombucha e as cápsula de probiótico está nas cepas, pois as cápsulas têm uma indicação específica prescrita pelo médico, enquanto na kombucha não há tanto esse controle. “Enquanto o probiótico em cápsula seria um pouco maior e com cepas mais específicas, na kombucha as bactérias são diversas e benéficas, mas não conseguimos quantificar o quanto a pessoa ingere”, explica a dermatologista Bianca Viscomi de São Paulo.

No caso da kombucha, o chá usado como base forma um líquido ácido e a sua fermentação libera alguns gases espumantes. Dependendo da forma como é conduzida a fermentação, a kombucha pode ser alcoólica ou não. “Dessa fermentação, surgem algumas substâncias muito interessantes, como vitaminas, aminoácidos, a formação de alguns antioxidantes, além do o ácido lático (bom para pele e cabelo) e do ácido glucónico (regulador da acidez do organismo)”, diz Bianca. Segundo a dermatologista, outra característica muito interessante sobre a kombucha é que sua ingestão pode auxiliar no tratamento de doenças inflamatórias da pele, principalmente na acne e na rosácea. “Nesses casos prescrevemos o probiótico como uma medicação mesmo. Não é só falar para tomar kombucha todos os dias”, afirma. Ela destaca ainda estudos que avaliam a melhora da qualidade da pele em pacientes que tomam probióticos regularmente, como, por exemplo, na hidratação, tônus da pele nos pacientes que se suplementam com probióticos.

Para receber os benefícios da kombucha, os especialistas recomendam fazer uma dieta equilibrada e rica à base de plantas, frutas e vegetais, pois esses alimentos são prebióticos, ou seja, são substancias que estimulam e alimentam essas bactérias boas a se desenvolverem. O professor Durval recomenda beber até 300 ml de kombucha por dia, a qualquer hora. Mas ressalta que crianças, mulheres grávidas e lactantes devem consultar um médico antes de ingeri-la.

O uso tópico, tipo máscaras ou compressas do chá, não é indicado, pois, segundo Bianca, não há estudos falando sobre o benefício de aplicar kombucha diretamente na pele.

Agora, onde encontrar a kombucha? Há versões prontas industrializadas da bebida, mas você também pode optar por fazê-la em casa a partir de uma colônia geralmente doada por quem já faz a bebida de maneira caseira. A colônia também é vendida em lojas de produtos naturais.

Neste stories, tem uma série de vídeos super legal, em que a Nátaly Neri explica como fazer a kombucha em casa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.