Afinamento capilar, queda ou calvície feminina? Descubra as diferenças

Publicado em 21 de julho de 2021 por .

Foto: Jazzie Moyssiadis

Você olha para o chão do banheiro, e eles estão lá. Passa os dedos entre as madeixas e ganha alguns fios soltos de brinde. No banho, um pequeno chumaço depois do condicionador. No toque, sente o volume menor. Será que enxergou uma falha? Calma. Primeiro, um dado da Sociedade Brasileira de Dermatologia. É normal caírem, diariamente, entre 100 e 200 fios de cabelo, sem qualquer relação com doenças e dependo da sua quantidade de cabelo. Mais que isso, vale investigar. Mas como saber se o seu problema é queda, afinamento, calvície feminina ou de repente até um remédio que tomou, para conseguir tratar do jeito certo? 

A queda capilar, também conhecida como eflúvio telógeno agudo, é uma perda de cabelo que acontece após um evento estressante, pelo uso de antibiótico, doenças metabólicas, infecções ou anestesia. Essas alterações mandam ‘uma mensagem’ para o couro cabeludo entrar em uma fase acelerada de renovação. “Eu chamaria de uma interrupção no ciclo, já que o cabelo cai antes da hora”, explica a dermatologista e tricologista Ana Carina Junqueira, especialista em medicina capilar. O curioso é que isso pode acontecer cerca de três meses depois da doença ou do medicamente tomado, então, muitas vezes você não associa a queda ao evento responsável por ela. “No eflúvio telógeno o cabelo cai mas seguem nascendo fios novos. O que acontece é que se fio vai demorar para atingir o comprimento do outro que caiu precocemente, por isso muitas pacientes com cabelo médio e longo ficam aflitas”, diz Ana Carina. Já no caso da alopécia androgenética, também conhecida como calvície, há um afinamento do fio, um processo fisiológico decorrente de fatores genéticos e hormonais. “Geralmente acontece por volta dos 40 anos e o cabelo não volta a crescer como antes, ficando fino e curto”, explica Andrea Frange, dermatologista especializada em Tricologia pelo Hospital do Servidor Público Municipal. 

Um bom jeito de entender as diferenças entre a alopecia e o eflúvio é o exemplo dado pela tricologista Glaucia Wendy. “Na alopécia androgenética, você passa o cabelo na mão e percebe menos volume, parece que eles estão ficando fininhos com o tempo. No eflúvio telógeno, você olha o chão do seu banheiro e tem um monte de fios, toma banho e no final o ralo fica cheio. Você também pode ter uma alopécia androgenética com períodos de eflúvio: o afinamento existe há muito tempo, o cabelo vem diminuindo de volume e em alguns momentos parece que cai mais”, diz.

Embora toda alopécia venha acompanhada de afinamento capilar, nem todo afinamento capilar é sinal de alopécia. “Quando o afinamento acontece na risca central do couro cabeludo, geralmente é sinal de calvície. Quando acontece em outras regiões, pode ser um sintoma de má nutrição”, alerta Ana Carina. Há também o afinamento capilar causado pela idade. “Com o passar dos anos, todas as pessoas vão ter, em maior ou menor grau, algum afinamento capilar. Obviamente, algumas vão ter mais porque existe um componente genético, como a alopécia androgenética, mas o processo de envelhecimento capilar normal também tende a afinar os fios”, diz o Tricologista Alberto Cordeiro 

Para saber qual é o seu diagnóstico, o ideal é procurar um dermatologista para avaliar o couro cabeludo e diagnosticar de forma precisa. “Se você tem antecedentes na família com calvície, pai, mãe ou irmãos, e percebe que ao longo dos anos o seu couro cabeludo está ficando mais descoberto, e a densidade dos fios está menor, é necessário procurar o profissional o quanto antes”, diz Andrea.  Os tratamentos geralmente incluem bloqueadores hormonais,  com comprimidos orais ou aplicação tópica de substâncias como o Minoxidil, para deixar os fios mais encorpados. “Vale ressaltar que não existe cura para a calvície, então é melhor iniciar o tratamento o quanto antes, pois a medicação vai retardar esse processo de evolução e estimular os novos fios a crescerem”, afirma Andrea. A médica lembra que os xampus antiqueda, no caso da calvície, não resolvem esse tipo de patologia. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.