Chocolate dá espinha mesmo? Fomos investigar essa fama

Alguns especialistas dizem que comer chocolate pode aumentar o nível de serotonina, responsável pela sensação de bem-estar. O cacau também tem a fama de poderoso antioxidante. E de dar espinha, né? Conversamos com especialistas para explicar os mitos por trás de um dos doces mais antigos do mundo.

Na verdade, não é propriamente o chocolate que causa espinha e sim a quantidade de açúcar e gordura saturada associada a ele. “Vários trabalhos científicos demonstram que o excesso de açúcar e carboidrato pode criar picos de insulina que acabam inflamando a glândula seborreica, podendo causar acne ou piorar a já existente de alguns pacientes”, explica a dermatologista Fabiola Bordin do Rio de Janeiro. Em entrevista a Bonita de Pele, em um dossiê sobre acne que fizemos no Instagram, a dermatologista Carolina Portela nos contou que alimentos com alto índice glicêmico, como açúcar, whey protein, leite e derivados, também podem piorar o quadro da inflamação. “Se for comer chocolate ao leite, e com muita frequência, a acne pode piorar sim e em qualquer tipo de pele, seja ela seca ou oleosa”, completa Fabiola. Ela salienta que o efeito não é imediato, do tipo, comeu uma barra hoje, espinha amanhã. Mas tem efeito cumulativo, piorando conforme a quantidade de chocolate ingerida.

Entretanto, se você é como a gente e é fã de chocolate, encontramos uma solução! A dermatologista Bruna Bravo, mestre em medicina pela UFRJ, diz que o chocolate amargo e meio amargo são ótimas opções para consumo. Mas atenção à definição de chocolate amargo, não basta ser só um chocolate marrom escuro. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), classifica o chocolate amargo como um produto preparado com cacau, pouco açúcar, adicionado ou não de leite. Os chocolates mais indicados são a partir de 70% de concentração de cacau, pois aí a quantidade de açúcar é muito menor que a versão ao leite, e por esse motivo, causa muito menos acne, orienta Fabiola. Para você ter uma ideia, comparamos duas barras de chocolate da mesma marca de 100g, uma ao leite e outra com 85% de cacau. Enquanto a barra de chocolate ao leite tinha 12 gramas de carboidratos, a de 85% apresentou 4,4g.  

Também faz bem

Além de menos açúcar e carboidrato, o chocolate meio amargo está cheio de benefícios. Ele é é fonte de magnésio*, ferro e zinco, além de ter propriedades antioxidantes graças ao seus flavonóides. Pode ajudar a acelerar o metabolismo e até a diminuir a resistência à insulina. E também tem seus benefícios para a pele: a manteiga do cacau possui efeito hidratante e de recuperação cutânea, conta pra gente a médica Laís Penedo.

Não é que vamos comer um quilo de chocolate ao leite todo dia (às vezes até dá vontade), mas com moderação e os cuidados com a pele adequados, não tem problema. “Consumiu mais chocolate e percebeu que a pele está ficando mais oleosa? Vale a pena utilizar um sabonete para controle de oleosidade e conversar com a dermatologista para usar produtos mais secativos”, orienta Fabiola. 

*Fundação Oswaldo Cruz


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.