3 perguntas sobre protetor solar em bastão, veja como e quando usar

Da esquerda para a direita: Clear Stick UV Protector FPS 50+, Shiseido. Fotoproteção Diária FPS 70 incolor, Adcos. Protetor solar tonalizante stick, FPS 80, Adcos. Sports'it! Bastão Protetor da Pele, Pinkcheeks. Photoage stick color, FPS 99, Dermage. Protetor solar FPS 99, Pinkcheeks.

O protetor solar em bastão é uma proposta bem bacana quando o assunto é praticidade e funcionalidade na hora da aplicação. Diferente dos protetores solares tradicionais, os sticks geralmente possuem uma textura mais espessa, são mais fáceis de deslizar e usar para retoques. Para entender quando e como utilizar esse tipo de protetor, consultamos o dermatologista Daniel Cassiano, doutor em melasma e coordenador da residência do ambulatório de dermatologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Veja a seguir 3 perguntas sobre o tema.

Qual a diferença, em termos de fórmula, do protetor em bastão e os líquidos?

O que muda é principalmente o veículo. O protetor em bastão tem geralmente componentes mais oclusivos para deixar a textura mais espessa (para que o protetor fique sólido). Outra diferença entre eles é na hora de remover. Esses veículos normalmente precisam de sabões mais oleosos e demaquilantes à base de óleo para saírem.   

Em quais situações ele pode ser melhor que o protetor solar?

Eu prescrevo muito os filtros em bastão com cor para melasma. Como o veículo é mais oclusivo, ele acaba formando uma proteção física sobre a pele, escondendo melhor as manchas. Eu digo que se a mancha está escondida, ela está protegida. Por essa razão, as pacientes podem aplicar uma camada de filtro com cosmética mais agradável e no lugar das manchas, cobrir com o filtro em bastão tonalizado. Uma outra indicação dos filtros em bastão, nesse caso incolor, são em atividades esportivas aquáticas. O veículo oclusivo é mais duradouro embaixo d’água, funciona super para os surfistas. O único problema é que não podemos indicar para peles oleosas porque pode ter oclusão folicular e gerar uma erupção acneiforme por oclusão. Se a paciente já tem uma pele mais oleosa e quer usar um filtro em bastão, porque acha que a cobertura física é melhor que a dos outros, peço para lavar o rosto com um sabonete para pele oleosa, usar hidratantes com ação matificante, principalmente na zona t (testa, nariz, queixo) e aí pode usar o produto em bastão porque dá uma boa segurada. Se, porventura, sentir que o rosto ficou muito oleoso durante o dia, só jogar uma água sem querer limpar o rosto, secar com uma toalha e em seguida pode reaplicar o filtro novamente. Se não tiver a pele oleosa, só passar por cima mesmo ou seguir o mesmo protocolo de jogar a água, para não ficar lavando muito rosto, pois acaba prejudicando a barreira cutânea. 

Qual é o melhor jeito para aplicar a quantidade certa no caso do protetor em bastão com e sem cor?

É difícil quantificar os filtros em bastão, os laboratórios sugerem aplicar sobre a pele formando uma camada uniforme. Eu explico para os pacientes que o bastão deve ser utilizado como se fosse uma base, então, a partir do momento que seu rosto está coberto, ele está bem protegido. Se eu não estou enxergando a sua pele por trás do filtro solar físico, ela está bem protegida [no caso dos protetores solares sem cor, a Sociedade Americana de Dermatologia recomenda passar quatro camadas no rosto inteiro, em movimentos de vai e vem].


2 comments

  • Meu namorado é jogador de futebol profissional e nunca achou protetor solar que ele se adequasse, o que me deixa preocupada com a exposição ao sol. A queixa é que quando ele corre e transpira, e começar a incomodar, porque atrapalha em campo. Existe algo nesse sentido pra atletas? Incolor, que não escorre e textura leve?

  • Ótima explicação. Sempre tive dúvidas sobre a quantidade de filtro solar em bastão que eu deveria usar, imaginava que não seria da mesma forma que os filtros aquosos, por terem texturas completamente diferentes. Obrigada pelo esclarecimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.